quarta-feira, 14 de março de 2018

Os imbecis não passarão


Os imbecis sempre existiram aos montes. Mas, atualmente, parece que eles se tornam onipresentes. Humberto Eco tinha razão. As redes sociais trouxeram os imbecis para a praça pública e lhes deram um megafone estridente. Agora eles podem se juntar, formar manadas e se reforçarem mutuamente.

Parece que, algum tempo atrás, havia certo constrangimento em torno da estupidez. Ninguém era elogiado por ser imbecil. Compreensivelmente, os imbecis eram mais retraídos, silenciosos. Além disso, mesmo quando o imbecil era um falastrão, sua audiência era relativamente restrita. Agora, eles não têm mais receio de mostrar suas entranhas e têm uma audiência inimaginável.

Contudo, não custa lembrar, os tempos são outros.

É verdade que os diversos casos de desgraça na vida profissional, decorrentes de pronunciamentos abjetos nas redes sociais (envolvendo diversas formas de preconceitos), ainda são insuficientes para mostrar aos imbecis que o mundo de hoje é diferente. Eles (com os seus milhares de compartilhamentos e likes) continuam promovendo sessões públicas de elogio à estupidez. Mas, felizmente, há avanços civilizatórios que são incontornáveis, irrefreáveis. Certos discursos de ódio – relativos a gênero, etnia, religião etc. – não são mais tolerados.

Há algo que os imbecis, por serem imbecis, não conseguem perceber. A ampla visibilidade que conquistaram com as redes sociais são, a um só tempo, a sua glória e a sua desgraça. Enquanto se lambuzam extasiados em suas fezes verbais, os imbecis acabam mostrando quem são, como pensam e como vivem, facilitando enormemente o trabalho de denúncia. Ao se exporem freneticamente, acabam selando o próprio destino. Eles não passarão!

Um comentário:

  1. É...eles agem em massa e tentam massacrar quem pensa diferente.

    ResponderExcluir