domingo, 26 de agosto de 2012

O amor (Eros) refaz a natureza do tempo (Chronos)


O amor reinventa a natureza do tempo,
Redimensiona a estrutura de seu (do tempo) movimento.
Com o amor, o tempo passa a se movimentar
Livremente para frente (esperança) e para trás (lembrança).
O amor também faz o tempo se eternizar no agora (memória).
O amor enfraquece a força e a ameaça do Chronos.
Amemos mais. Amemo-nos sempre.

Sostenes Lima
@Limasostenes

2 comentários:

  1. O amor não se define; sente-se.
    Sêneca

    ResponderExcluir
  2. Há sempre alguma loucura no amor. Mas, também a sempre um pouco de razão nela.

    ResponderExcluir