sábado, 21 de abril de 2012

Deus quis se tornar mundano


Vivi uma parte da minha infância numa casa que dividia espaço com a igreja. O terreiro (uma espécie de calçada de terra batida) se estendia varanda a fora dando para a porta do fundo do templo. Eu experimentava a vida de dentro e para dentro da igreja. Mas a vida naquele claustro não era plena; faltava ali uma série de coisas fundamentais. Lá não havia escola, não havia parquinho, não havia mercado, não havia casa e nem trabalho para todos etc. A igreja não conseguia oferecer tudo de que as pessoas precisavam. Logo percebi que não era possível permanecer o tempo todo dentro da redoma da igreja. O que fazer então? Foi aí que me ensinaram que existem dois universos sociais dentro dos quais nossa vida transcorre: a igreja e o mundo. Me ensinaram que ser crente significava viver dentro de uma subcultura, a igreja, tendo o mínimo de contato possível com o espaço lá de fora, o mundo.

Diziam-me que a igreja era um lugar social puro, formado por pessoas boas e íntegras. Ouvi algumas vezes alguém dizer, em pregação, coisas como: “Se alguém está precisando de um funcionário, deve contratar um irmão; é mais seguro. As pessoas da igreja são honestas, competentes e responsáveis. Por que se arriscar contratando alguém do mundo?” Ou algo assim: “Se você está vendendo para um crente pode confiar. As pessoas da igreja não dão calote; elas honram sua palavra e seus negócios”.

Diziam-me que a igreja tinha os padrões morais mais elevados da sociedade. A igreja não apenas congregava pessoas limpas; ela tinha a mais alta fórmula de assepsia moral.  A igreja tinha um código de retidão que, quando cumprido à risca, tornava o crente livre de todas as mazelas morais que degradam a vida humana. O crente, uma vez lavado e remido, era uma pessoa santa.

Diziam-me também que a igreja tinha o melhor padrão de arte do mundo. Embora cultivasse apenas uma arte, a música, a igreja detinha um padrão estético capaz de suprir todas as demandas por arte. Ouvia em pregações: “Não ouça música do mundo. Elas não prestam, não edificam em nada. Ouça apenas as músicas da igreja. Essas, sim, são belas e edificantes”. Estranhamente, não me lembro de ouvir qualquer repreensão à leitura de obras literárias. Tenho minhas hipóteses sobre o motivo por que não havia censura à literatura, mas isso não importa neste momento.

As pessoas da igreja concebiam o mundo como o lado de fora da vida; um espaço social sujo, corrompido, cheio de pessoas más e pecadoras. Ouvi por diversas vezes frases como: “O mundo só tem coisas que não prestam. Ele é sedutor, cheio de atrativos, mas nada nele tem valor”. Também ouvia as pessoas da igreja advertindo sobre os perigos de se associar com as pessoas do mundo. Os pregadores diziam: “Cuidado com as pessoas do mundo. Elas são pecadoras e vão influenciar você, conduzindo-o para o fundo do poço. Não seja amigo de pessoas do mundo. Livrem-se das más companhias. Lembrem-se do ditado que diz: ‘me diga com quem você anda que direi quem você é’. Andar com uma pessoa mundana pode levar você a se tornar mundano também”.

Vivi minha infância e adolescência exposto a esse discurso. Havia claramente uma divisão entre o que era de boa fama (coisas inerentes à igreja) e o que era degenerado (coisas inerentes ao mundo). Esse tipo de discurso, embora tenha perdido força, ainda continua ativo em muitos recantos religiosos. Ainda há muitas pregações que conclamam as pessoas a renegarem o mundo.

Não vou discutir o que está na base dessa cosmovisão que enaltece a igreja e demoniza o mundo. Sei  que há aí muita ignorância, moralismo, hipocrisia, alienação e dominação. É óbvio que, por trás de um discurso tão sectário como esse, há muita arrogância moral e farisaísmo.  Também não tenho dúvidas de que há aí uma gama de interesses espúrios, bem escondidos nos porões institucionais, que favorecem certas pessoas e certas instituições. Mas isso não me interessa no momento.

A questão a que me proponho é outra; está relacionada às seguintes indagações: Por que o cristão deve renegar o mundo se Deus fez exatamente o contrário? Por que o cristão deve se enclausurar na igreja se Jesus desenvolveu toda sua prática ministerial fora da organização religiosa de sua época? Na verdade, Jesus não apenas se desligou da instituição religiosa de sua época; ele se opôs a ela radicalmente. Jesus colocou em ruína todas as bases que davam sustentação ao discurso exclusivista e moralista da elite religiosa de seu tempo.

Jesus não renegou o mundo. Ele teve uma vida intensamente mundana. Viveu a infância e juventude numa pequena cidade da Galileia. Lá, possivelmente, adquiriu uma profissão e trabalhou com o pai. Foi a festas. Comeu e bebeu muito. Chorou e riu. Tornou-se um profeta itinerante imerso no mundo, dialogando com as crises mundanas que assolavam as pessoas. Circulou por espaços públicos e privados sem querer torná-los sagrados.

Não encontramos, na atividade e pregação de Jesus, qualquer base para uma cisão entre igreja e mundo. Não há nada mais contraditório do que exigir que alguém seja um cristão fora do mundo, como se isso fosse realmente possível.

Deus, em Jesus, se propôs a uma jornada de mundanização. Jesus entra no mundo e se mistura com ele. A encarnação não é uma negação do mundo, mas uma entrada radical e definitiva de Deus em nossa história, em nossa esfera de existência. A encarnação é uma evidência de que Deus se interessou pelo mundo, de que Deus quis se tornar mundano. Logo, qualquer pregação que demonize o mundo, que o renegue, parece contradizer o propósito da atividade de Jesus.  Deus quis interagir com o mundo. Sejamos imitadores de Deus. Tornemo-nos cristãos mais afeitos ao mundo. Sejamos mundanos.

9 comentários:

  1. Débora Melo Ribeirosábado, abril 21, 2012

    Muito bom!!! Muitos fariseus de hoje precisam ler isso...

    ResponderExcluir
  2. A proposta de nos tornar "mais afeitos ao mundo" é interessante, o que não implica necessariamente em ser "mundano", nos termos finais de seu texto. Ser "humano" parece configurar o maior desafio dos "homens"! Assumir-se como imperfeitos, e, justo por este motivo, estender a mão ao outro para ajudá-lo e, ao mesmo tempo, se sustentar. Ir ao mundo, enxergar o humano; o semelhante. Estar disposto; aprender e ensinar a amar. E, principalmente, não deixar que o discurso bem intencionado se perca em si mesmo. Agir em prol de alguém... Duvido muito que haja igreja/religião mais nobre! Parabéns pelo espaço de ideias!

    ResponderExcluir
  3. Ricardo Borges da Silvasexta-feira, abril 27, 2012

    A palavra "mundano" no texto vem estabelecer uma relação com os humanos do mundo e de forma nenhuma ser conivente com as praticas mundanas, alias teriamos que rever o conceito de "praticas mundanas". Mas, não é isso que vem ao caso.

    Texto extremamente gracioso, a religião deteriora a graça, já o Evangelho de Jesus exala igualdade das classes sociais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando Jesus disse para os discipulos que Ele è a luz do mundo, estava querendo dizer que Ele è o entendimento que habita em nòs acerca Dele mesmo, enfim, a falta deste tem impedido a essencia do esclarecimento do mundano (ser humano) com o Verbo (o Deus encarnado no mundo). Esse relacionamento sem alcancar o entendimento verdadeiro acerca do LOGOS è conhecido como RELIGIOSIDADE.

      Excluir
    2. É ISSO MESMO IRMÃO, PRECISAMOS ESCLARECER AS PESSOAS O QUE A RELIGIÃO ESCURECEU. VALEU DEMAISSSSS!!!!!

      Excluir
  4. Sóstenes, um amigo que preferiu se mundanizar, sua visão nos acrescenta muito.

    Obrigado e a Paz do Senhorrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrr!!!!!!

    ResponderExcluir
  5. NOSSA MUITO BOM, DEVEMOS TODOS SERVIR A "DEUS'...

    ResponderExcluir
  6. Ser mundano ou não ser mundano, eis a questão.
    Esta claro que a pelnitude do raciocínio humano consegue atingir estes princípios, porém a coragem se esconde na individualidade, e no egoísmo intelectual chamado de ignorância.
    Sejamos leigos, mas nunca hipócritas e mascarados pela vergonha de conhecer o novo.
    Acredito que depois de frequentar uma cadeira de seminário na condição de aluno, pude entender o que é ser mundano para uma igreja que acredita ter a verdade absoluta em seus conceitos e credos. Se é que exciste um credo responsável ou moral pelo menos.
    Abraços e saudades dos colegas e deste nobre professor.
    GLAYDSON

    ResponderExcluir
  7. Você está correto meu irmão. O problema é que as "igrejas/instituições" denotam um sentido satânico à palavra mundano e se você se diz mundano, meu Deus, é sinal de que se "desviou" e está perdido. Se nos afastarmos do mundo, como será possível pregar o evangelho a toda criatura? Temos que nos mundanizar (não no sentido pejorativo denotado pela igreja) e mostrar para o mundo quem somos, no que acreditamos e o que estamos esperando. Não é que vamos aceitar ou ser coniventes com as práticas mundanas,ou melhor, práticas deploráveis aos olhos da Bíblia, porém, estamos no mundo mostrando que é possível viver de uma maneira diferente e santa, rejeitando toda a perdição oferecida.
    Se rejeitarmos nos relacionar com as pessoas não crentes, como elas conhecerão a Cristo? Aliás, viver enclausurado, fechado em uma igreja, seria muito mais fácil. Dificil mesmo, e Jesus nos propôs esse desafio, é participar do mundo, conviver com pessoas ímpias, e ter uma vida diferente e santa.
    Abraço para todos os colegas do Seminário...saudades... Késia

    ResponderExcluir