segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

O prazer mora no corpo; a alegria, na alma

Não, eu não quero prazer! Eu quero alegria! Era isso o que dizia uma das amantes de Tomás, o médico de A Insustentável Leveza do Ser. E Tomás ficava perdido porque prazer ele sabia dar, é coisa de receita fácil, mora no corpo. Mas alegria é coisa mais sutil, mora na alma, no lugar das fantasias e da saudade.
Há um jeito fácil de saber se o que se sente é prazer ou alegria. Basta prestar atenção no corpo. Se ele for ficando cada vez mais pesado, é prazer. Se for ficando cada vez mais leve, é alegria”.

[Rubem Alves. Teologia do cotidiano. São Paulo: Olho D’agua, 1994]

Nenhum comentário:

Postar um comentário